Archives: Dezembro 2018

WINTEL 2018 anuncia nova análise de quotas de mercado global do setor de música independente

Independentes representam 39,9% da música global editada

O retorno financeiro geral aumenta 10,9% ano após ano, as receitas de streaming aumentam 46%.

Londres, 4 de dezembro de 2018 – WINTEL 2018 é o terceiro relatório produzido pela Worldwide Independent Network (WIN), mapeando a participação no mercado global do setor independente nos direitos autorais, em vez do foco na distribuição.

Este novo relatório foi criado pela WIN com o objetivo de analisar o impacto económico e cultural do setor de música independente ao nível global. Uma iniciativa de Mark Mulligan, da MIDiA Research, e de autoria da Music Ally. Os resultados, recolhidos em 33 países, representam a avaliação mais abrangente do setor global de editoras independentes.

Esta pesquisa demonstra que os independentes aumentaram a sua participação no mercado global de 39,6% em 2016 para 39,9% em 2017, com esse crescimento superaram o das principais marcas, cujas receitas cresceram apenas 9,7% no mesmo período.

As receitas globais também aumentaram de US $ 6,2 bilhões em 2016 para US $ 6,9 bilhões em 2017, o que equivale a um significativo crescimento de ano para ano de 10,9%.

É de notar também que o setor independente superou o mercado global de música, que cresceu 10,2% no ano passado.

Um outro alerta para a indústria da música é a rápida ascensão dos chamados mercados emergentes, com a China na linha da frente com um aumento de 36% no crescimento da receita, Ásia e Australia também com um aumento de receita de 5,4% e crescimento de streaming de 38%, enquanto a América Latina está à frente com um crescimento geral de 17% e um aumento de quase 50% nas receitas de streaming.

É importante enfatizar que este relatório mais uma vez se concentra no critério de valor baseado na propriedade de direitos, em vez de na distribuição ao analisar a participação de mercado.

Esta é uma distinção crucial porque, quando as empresas independentes usam grandes editoras ou empresas pertencentes a grandes editoras em vários territórios do mundo para distribuir as suas músicas, estes principais players incluem o valor das receitas derivadas da distribuição de direitos de propriedade independente na avaliação da quota de mercado das principais editoras.

A reivindicação de participação de mercado por parte destas empresas internacionais, que representa 8,6% do mercado total e 22,2% da quota de mercado independente, distorce o quadro real do valor de mercado.

A análise da WINTEL por referência à propriedade de direitos fornece uma visão geral muito mais precisa do mercado.

Também é importante uma vez que a participação de mercado é usada pelas principais empresas de música digital, como Apple, Google e Spotify, em negociações com o setor independente e, muitas vezes, determina os níveis de remuneração pagos por essas empresas aos detentores de direitos.

No final de 2017, os serviços de assinatura de streaming de música somavam 176 milhões de assinantes em todo o mundo, acima dos 64 milhões em 2016. Este crescimento viu as receitas de streaming para as empresas independentes crescerem 46% em 2017 para US $ 3,1 mil milhões, que agora representa pouco menos de 44 % da receita total do setor, comparado a 33% em 2016.

É cada vez mais provável que o streaming represente mais de 50% das receitas do setor independente,uma vez que as vendas físicas continuam a decrescer.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de que as edições independentes se ajustaram para receber e aproveitar o streaming, com 47% dos entrevistados afirmando que melhorou significativamente o seu retorno financeiro, em valores que sobem para 73% para editoras onde o streaming representa mais de 30% das suas receitas.

Estes números sugerem uma tendência encorajadora para as editoras independentes – para que o seu investimento no desenvolvimento a longo prazo dos artistas e no formato do álbum é mais uma vantajoso do que um risco na era do streaming. Com grandes editoras investindo consideravelmente em estratégias de marketing, os independentes estão a planear a longo prazo e, como resultado, estão a desenvolver negócios sustentáveis.

Outra observação interessante e positiva da pesquisa deste ano é que 76% dos artistas que assinaram com editoras independentes optaram por renovar os seus contratos no final do período. Este é, sem dúvida, um reflexo da estabilidade dentro das editoras que estão a trabalhar com esses artistas. As respostas demonstram que 42% dos funcionários das empresas independentes colaboram desde o início, um fato que vale a pena considerar no contexto da edição independente.

Estes dados refletem ainda um retrato interessante das empresas modernas de música independente –  as editoras de dimensão média têm agora 13,6 funcionários em regime de tempo integral, 3,2 funcionários em part-time e 97,6 artistas nos eu catálogo. Esta última estatística é relevante para o impacto positivo que o streaming está a ter nas empresas independentes com catálogos fortes que ajudam a aumentar o retorno financeiro.

Também vale a pena refletir sobre o que define “independente” em 2018 – o termo está certamente a evoluir na indústria da música moderna e, além das editoras, também engloba agora artistas que estão a lançar a sua música através de outros distribuidores.

A explosão global criativa e comercial do género grime, por exemplo, foi sustentada por este modelo.

O WINTEL 2018 revela que as receitas de autodesenvolvimento de artistas cresceram de US $ 94 milhões em 2016 para US $ 101 milhões em 2017. À medida que estes artistas constroem equipas para cumprir várias funções de edição, essa seção da comunidade musical independente crece significativamente.

Alison Wenham, CEO da WIN, disse: “As 2018 draws to a close, we are delighted to publish the third edition of the annual WINTEL report, which highlights the global independent market share increasing to an astounding 39.9% in 2017 a figure that outstrips both the major labels and overall music sector.  There are numerous interesting outcomes from this survey but one thing that really stood out for me is the fact that 76% of artists are choosing to renew their contracts with their labels, which shows that the indies are forging great bonds with those they represent. It has been another turbulent twelve months for our industry on a lot of levels but we have emerged with powerful new legislation to protect our businesses, fantastic growth in some unexpected territories and increasing support from music fans who have continued to enjoy and engage with the amazing music coming out of the worldwide independent community.”

Martin Mills, fundador do Beggars Group e presidente da WIN comentou: “With two out of every five ‘purchases’ of music going to the independent sector, now may be a good time to draw breath and celebrate this incredible achievement. In an era in which diversity of all kinds is prized, yet consolidation is the norm, for a cultural sector such as music to achieve such remarkable diversity of both art and business models is truly extraordinary, and due in no small part to our ability to be strong together through our collective organisations.”

O WINTEL estará disponível em versão impressa e online em www.winformusic.org.

A Worldwide Independent Network (WIN) é o órgão coordenador de associações comerciais independentes nacionais que representam a indústria da música editada ao nível mundial. Foi fundada em 2006 em resposta a questões globais de negócios, criatividade e acesso a mercados enfrentadas pelo setor independente. www.winformusic.org